Jornada On-Line de Paulinha Pretti

0

Gos­tei de mo­da e che­guei até a abrir uma lo­ja de rou­pas, mas aca­bei fe­chan­do por fal­ta de ex­pe­ri­ên­cia. Em pa­ra­le­lo, fiz du­as fa­cul­da­des, uma de­las, Psicologia, cu­jo co­nhe­ci­men­to me agre­ga em vá­ri­as áre­as da mi­nha vi­da pes­so­al e pro­fis­si­o­nal. Tu­do que pas­sei foi ne­ces­sá­rio pa­ra che­gar on­de es­tou”, re­su­me.

Além de sua pai­xão, mo­da, Pau­li­nha in­ves­te na di­ver­si­da­de de con­teú­dos, com te­mas co­mo be­le­za, vi­a­gens, fa­mí­lia e si­tu­a­ções do co­ti­di­a­no. “O en­co­ra­ja­men­to veio das ami­gas e fa­mí­lia, que sem­pre me con­sul­ta­vam na ho­ra de es­co­lher um look, dicas de aces­só­ri­os… Co­me­cei tam­bém a re­ce­ber men­sa­gens de se­gui­do­ras me per­gun­tan­do de on­de era aque­la rou­pa, on­de ti­nha com­pra­do aque­le pro­du­to e, aos pou­cos, per­ce­bi que aqui­lo era mai­or do que eu es­ta­va ima­gi­nan­do”, re­cor­da ela, so­bre os pri­mei­ros pas­sos. Ho­je, ape­sar de to­da ex­pe­ri­ên­cia nas re­des, Pau­li­nha ain­da pre­za pe­la cau­te­la. “Gos­to de tro­car ex­pe­ri­ên­cia e pen­so em con­teú­dos de qua­li­da­de, que fa­rão di­fe­ren­ça pa­ra o pú­bli­co. Pa­ra mim, a mai­or di­fi­cul­da­de é se man­ter em um meio em que a opi­nião é ex­pos­ta mui­to fá­cil e sem fil­tros. Te­mos res­pon­sa­bi­li­da­de so­bre o que di­vul­ga­mos, pro­cu­ro ser trans­pa­ren­te e, se is­so é ser re­fe­rên­cia, di­ga­mos que pre­fi­ro ser uma ins­pi­ra­ção”, fri­sa ela. Ou­tro de­sa­fio é li­dar com as crí­ti­cas, mas Pau­li­nha ti­ra de le­tra. “Apren­di a res­pei­tar as crí­ti­cas cons­tru­ti­vas, só não to­le­ro crí­ti­cas des­tru­ti­vas, com o ob­je­ti­vo de nos

Além de sua pai­xão, mo­da, Pau­li­nha in­ves­te na di­ver­si­da­de de con­teú­dos, com te­mas co­mo be­le­za, vi­a­gens, fa­mí­lia e si­tu­a­ções do co­ti­di­a­no. “O en­co­ra­ja­men­to veio das ami­gas e fa­mí­lia, que sem­pre me con­sul­ta­vam na ho­ra de es­co­lher um look, dicas de aces­só­ri­os… Co­me­cei tam­bém a re­ce­ber men­sa­gens de se­gui­do­ras me per­gun­tan­do de on­de era aque­la rou­pa, on­de ti­nha com­pra­do aque­le pro­du­to e, aos pou­cos, per­ce­bi que aqui­lo era mai­or do que eu es­ta­va ima­gi­nan­do”, re­cor­da ela, so­bre os pri­mei­ros pas­sos. Ho­je, ape­sar de to­da ex­pe­ri­ên­cia nas re­des, Pau­li­nha ain­da pre­za pe­la cau­te­la. “Gos­to de tro­car ex­pe­ri­ên­cia e pen­so em con­teú­dos de qua­li­da­de, que fa­rão di­fe­ren­ça pa­ra o pú­bli­co. Pa­ra mim, a mai­or di­fi­cul­da­de é se man­ter em um meio em que a opi­nião é ex­pos­ta mui­to fá­cil e sem fil­tros. Te­mos res­pon­sa­bi­li­da­de so­bre o que di­vul­ga­mos, pro­cu­ro ser trans­pa­ren­te e, se is­so é ser re­fe­rên­cia, di­ga­mos que pre­fi­ro ser uma ins­pi­ra­ção”, fri­sa ela. Ou­tro de­sa­fio é li­dar com as crí­ti­cas, mas Pau­li­nha ti­ra de le­tra. “Apren­di a res­pei­tar as crí­ti­cas cons­tru­ti­vas, só não to­le­ro crí­ti­cas des­tru­ti­vas, com o ob­je­ti­vo de nos

Além de sua pai­xão, mo­da, Pau­li­nha in­ves­te na di­ver­si­da­de de con­teú­dos, com te­mas co­mo be­le­za, vi­a­gens, fa­mí­lia e si­tu­a­ções do co­ti­di­a­no. “O en­co­ra­ja­men­to veio das ami­gas e fa­mí­lia, que sem­pre me con­sul­ta­vam na ho­ra de es­co­lher um look, dicas de aces­só­ri­os… Co­me­cei tam­bém a re­ce­ber men­sa­gens de se­gui­do­ras me per­gun­tan­do de on­de era aque­la rou­pa, on­de ti­nha com­pra­do aque­le pro­du­to e, aos pou­cos, per­ce­bi que aqui­lo era mai­or do que eu es­ta­va ima­gi­nan­do”, re­cor­da ela, so­bre os pri­mei­ros pas­sos. Ho­je, ape­sar de to­da ex­pe­ri­ên­cia nas re­des, Pau­li­nha ain­da pre­za pe­la cau­te­la. “Gos­to de tro­car ex­pe­ri­ên­cia e pen­so em con­teú­dos de qua­li­da­de, que fa­rão di­fe­ren­ça pa­ra o pú­bli­co. Pa­ra mim, a mai­or di­fi­cul­da­de é se man­ter em um meio em que a opi­nião é ex­pos­ta mui­to fá­cil e sem fil­tros. Te­mos res­pon­sa­bi­li­da­de so­bre o que di­vul­ga­mos, pro­cu­ro ser trans­pa­ren­te e, se is­so é ser re­fe­rên­cia, di­ga­mos que pre­fi­ro ser uma ins­pi­ra­ção”, fri­sa ela. Ou­tro de­sa­fio é li­dar com as crí­ti­cas, mas Pau­li­nha ti­ra de le­tra. “Apren­di a res­pei­tar as crí­ti­cas cons­tru­ti­vas, só não to­le­ro crí­ti­cas des­tru­ti­vas, com o ob­je­ti­vo de nos

Além de sua pai­xão, mo­da, Pau­li­nha in­ves­te na di­ver­si­da­de de con­teú­dos, com te­mas co­mo be­le­za, vi­a­gens, fa­mí­lia e si­tu­a­ções do co­ti­di­a­no. “O en­co­ra­ja­men­to veio das ami­gas e fa­mí­lia, que sem­pre me con­sul­ta­vam na ho­ra de es­co­lher um look, dicas de aces­só­ri­os… Co­me­cei tam­bém a re­ce­ber men­sa­gens de se­gui­do­ras me per­gun­tan­do de on­de era aque­la rou­pa, on­de ti­nha com­pra­do aque­le pro­du­to e, aos pou­cos, per­ce­bi que aqui­lo era mai­or do que eu es­ta­va ima­gi­nan­do”, re­cor­da ela, so­bre os pri­mei­ros pas­sos. Ho­je, ape­sar de to­da ex­pe­ri­ên­cia nas re­des, Pau­li­nha ain­da pre­za pe­la cau­te­la. “Gos­to de tro­car ex­pe­ri­ên­cia e pen­so em con­teú­dos de qua­li­da­de, que fa­rão di­fe­ren­ça pa­ra o pú­bli­co. Pa­ra mim, a mai­or di­fi­cul­da­de é se man­ter em um meio em que a opi­nião é ex­pos­ta mui­to fá­cil e sem fil­tros. Te­mos res­pon­sa­bi­li­da­de so­bre o que di­vul­ga­mos, pro­cu­ro ser trans­pa­ren­te e, se is­so é ser re­fe­rên­cia, di­ga­mos que pre­fi­ro ser uma ins­pi­ra­ção”, fri­sa ela. Ou­tro de­sa­fio é li­dar com as crí­ti­cas, mas Pau­li­nha ti­ra de le­tra. “Apren­di a res­pei­tar as crí­ti­cas cons­tru­ti­vas, só não to­le­ro crí­ti­cas des­tru­ti­vas, com o ob­je­ti­vo de nos.

Jornada On-Line de Paulinha Pretti
Jornada On-Line de Paulinha Pretti

“Eu apren­di a res­pei­tar as crí­ti­cas cons­tru­ti­vas.”

“A mai­or di­fi­cul­da­de é se man­ter em um meio em que a opi­nião é ex­pos­ta sem fil­tros.”

Ma­go­ar. Po­de­mos fa­lar o que qui­ser­mos, com gros­se­ria ou edu­ca­ção, que a pes­soa irá en­ten­der. En­tão, es­co­lha fa­lar com amor, se­rá me­lhor pa­ra to­dos!”, en­si­na ela, en­ca­ran­do com le­ve­za a ques­tão da ima­gem. “Não po­de­mos ne­gar que, in­fe­liz­men­te, o mun­do im­põe pa­drões de be­le­za. Pa­ra mim, o im­por­tan- te é res­sal­tar a be­le­za que ca­da um tem, in­de­pen­den­te da al­tu­ra, da cor da pe­le… Es­tou fe­liz com a pes­soa que me tor­nei, pois me acei­to”, re­fle­te ela.

Ma­go­ar. Po­de­mos fa­lar o que qui­ser­mos, com gros­se­ria ou edu­ca­ção, que a pes­soa irá en­ten­der. En­tão, es­co­lha fa­lar com amor, se­rá me­lhor pa­ra to­dos!”, en­si­na ela, en­ca­ran­do com le­ve­za a ques­tão da ima­gem. “Não po­de­mos ne­gar que, in­fe­liz­men­te, o mun­do im­põe pa­drões de be­le­za. Pa­ra mim, o im­por­tan- te é res­sal­tar a be­le­za que ca­da um tem, in­de­pen­den­te da al­tu­ra, da cor da pe­le… Es­tou fe­liz com a pes­soa que me tor­nei, pois me acei­to”, re­fle­te ela.

Ma­go­ar. Po­de­mos fa­lar o que qui­ser­mos, com gros­se­ria ou edu­ca­ção, que a pes­soa irá en­ten­der. En­tão, es­co­lha fa­lar com amor, se­rá me­lhor pa­ra to­dos!”, en­si­na ela, en­ca­ran­do com le­ve­za a ques­tão da ima­gem. “Não po­de­mos ne­gar que, in­fe­liz­men­te, o mun­do im­põe pa­drões de be­le­za. Pa­ra mim, o im­por­tan- te é res­sal­tar a be­le­za que ca­da um tem, in­de­pen­den­te da al­tu­ra, da cor da pe­le… Es­tou fe­liz com a pes­soa que me tor­nei, pois me acei­to”, re­fle­te ela.

Se a jor­na­da on-li­ne tem ren­di­do bons fru­tos pa­ra Pau­li­nha, é na vi­da off-li­ne que ela en­con­tra sua mo­ti­va­ção. “Não é fá­cil con­ci­li­ar tra­ba­lho, ca­sa, fi­lhos, ma­ri­do, mas fa­mí­lia sem­pre vem em pri­mei­ro lu­gar. Meus fi­lhos são mi­nha ba­se”, diz a ma­mãe co­ru­ja dos gê­me­os En­ri­co e Va­len­ti­na (8), da união com Bru­no Pret­ti (40). Em ca­sa, aliás, to­dos já es­tão ha­bi­tu­a­dos à sua ro­ti­na. “Quan­do di­zem que fi­lho de pei­xe, pei­xi­nho é… Se dei­xar, meus fi­lhos são mais in­flu­en­ci­a­do­res do que eu! Eles en­ten­dem e res­pei­tam e, às ve­zes, quan­do es­tou gra­van­do, que­rem apa­re­cer e tu­do vi­ra uma brin­ca­dei­ra!”, con­ta. “Já Bru­no é meu se­gui­dor mais as­sí­duo, me in­cen­ti­va, me apoia e aju­da na con­quis­ta dos meus so­nhos”, fa­la ela, ca­sa­da há 15 anos. “O se­gre­do do ca­sa­men­to é sa­ber se re­no­var e, de tem­pos em tem­pos, é pre­ci­so vol­tar a na­mo­rar, tro­car ca­ri­nhos, vol­tar a se­du­zir e ser se­du­zi­da e, se pos­sí­vel, fa­zer uma no­va lua de mel”, elen­ca. O

Se a jor­na­da on-li­ne tem ren­di­do bons fru­tos pa­ra Pau­li­nha, é na vi­da off-li­ne que ela en­con­tra sua mo­ti­va­ção. “Não é fá­cil con­ci­li­ar tra­ba­lho, ca­sa, fi­lhos, ma­ri­do, mas fa­mí­lia sem­pre vem em pri­mei­ro lu­gar. Meus fi­lhos são mi­nha ba­se”, diz a ma­mãe co­ru­ja dos gê­me­os En­ri­co e Va­len­ti­na (8), da união com Bru­no Pret­ti (40). Em ca­sa, aliás, to­dos já es­tão ha­bi­tu­a­dos à sua ro­ti­na. “Quan­do di­zem que fi­lho de pei­xe, pei­xi­nho é… Se dei­xar, meus fi­lhos são mais in­flu­en­ci­a­do­res do que eu! Eles en­ten­dem e res­pei­tam e, às ve­zes, quan­do es­tou gra­van­do, que­rem apa­re­cer e tu­do vi­ra uma brin­ca­dei­ra!”, con­ta. “Já Bru­no é meu se­gui­dor mais as­sí­duo, me in­cen­ti­va, me apoia e aju­da na con­quis­ta dos meus so­nhos”, fa­la ela, ca­sa­da há 15 anos. “O se­gre­do do ca­sa­men­to é sa­ber se re­no­var e, de tem­pos em tem­pos, é pre­ci­so vol­tar a na­mo­rar, tro­car ca­ri­nhos, vol­tar a se­du­zir e ser se­du­zi­da e, se pos­sí­vel, fa­zer uma no­va lua de mel”, elen­ca. O

Se a jor­na­da on-li­ne tem ren­di­do bons fru­tos pa­ra Pau­li­nha, é na vi­da off-li­ne que ela en­con­tra sua mo­ti­va­ção. “Não é fá­cil con­ci­li­ar tra­ba­lho, ca­sa, fi­lhos, ma­ri­do, mas fa­mí­lia sem­pre vem em pri­mei­ro lu­gar. Meus fi­lhos são mi­nha ba­se”, diz a ma­mãe co­ru­ja dos gê­me­os En­ri­co e Va­len­ti­na (8), da união com Bru­no Pret­ti (40). Em ca­sa, aliás, to­dos já es­tão ha­bi­tu­a­dos à sua ro­ti­na. “Quan­do di­zem que fi­lho de pei­xe, pei­xi­nho é… Se dei­xar, meus fi­lhos são mais in­flu­en­ci­a­do­res do que eu! Eles en­ten­dem e res­pei­tam e, às ve­zes, quan­do es­tou gra­van­do, que­rem apa­re­cer e tu­do vi­ra uma brin­ca­dei­ra!”, con­ta. “Já Bru­no é meu se­gui­dor mais as­sí­duo, me in­cen­ti­va, me apoia e aju­da na con­quis­ta dos meus so­nhos”, fa­la ela, ca­sa­da há 15 anos. “O se­gre­do do ca­sa­men­to é sa­ber se re­no­var e, de tem­pos em tem­pos, é pre­ci­so vol­tar a na­mo­rar, tro­car ca­ri­nhos, vol­tar a se­du­zir e ser se­du­zi­da e, se pos­sí­vel, fa­zer uma no­va lua de mel”, elen­ca. O

“Bru­no é meu se­gui­dor mais as­sí­duo, me apoia e aju­da na con­quis­ta de so­nhos.”

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.