Gui Silveiras lança “Ilá de Mim”

0

Gui Silveiras poderia estar mostrando a todo mundo o EP “Bate Tambô”, lançado em fevereiro deste ano. É uma reunião de cinco faixas em que seu lado MPB, que aflora num domínio impecável do violão e da sensibilidade apurada para compor, aparece entrelaçado com o batuque de pontos de terreiro. Essa combinação explode em canções percussivas muito peculiares, uma demonstração de virtuosismo e empolgação.

Mas a força motriz do trabalho criativo do cantor e compositor já pede passagem para um outro projeto, este sim a razão de Gui trazer a público seu novo álbum, Grito Contido, trabalho 100% autoral que chega ao ouvinte em voz e violão. É um projeto elaborado e desenvolvido dentro da Fatec Tatuí. Gui recebeu um convite de alguns formandos de Produção Fonográfica para registrar um álbum. E fez isso em cinco dias dentro do estúdio, em sessões que também foram registradas em vídeo, que serão  disponibilizadas nas redes.

A maneira tão rápida de fazer esse trabalho ainda o surpreende. “É uma história muito maluca. Eu sou funcionário público, dou aulas de guitarra na prefeitura municipal de Porto Feliz. Um dos alunos que eu tive há dez anos, agora formado em produção, precisava entrar no estúdio para pôr em prática o que aprendeu. E me convidou para gravar algumas canções, talvez material para um single. E saiu um álbum!”

Grito Contido surge da voz calada durante a pandemia, dessa clausura, né? Desse confinamento e de todas as limitações que essa situação impôs para a gente”, desabafa o cantautor. Para ele, “o disco surge por essa necessidade que a gente tem, como artista, de colocar nossos sentimentos e nossas sensações para o mundo, através do som.”

O resultado são faixas às vezes intimistas, em outros momentos pulsantes, fortes, mas de uma falsa simplicidade. Gui tece tramas instrumentais complexas, que seduzem quem escuta. Há o domínio da técnica apurada, mas a construção segue a intuição, como assume o compositor. As letras tratam da condição humana, do homem diante do mundo.

Canções como a faixa que dá título ao álbum, ou “Na Língua do Bar”, “Meu Brasil”, “Zarabatana” ou a poderosa “Ilá de Mim”, que será lançada em single, são pérolas perfeitas para rádios que ainda divulgam uma boa música brasileira. Pena que sejam cada vez mais raras. O material é produção recente do compositor. Músicas que levou prontas ao estúdio, além de uma que ele criou ali, no clima do trabalho de gravação, tocando diversos instrumentos.

A proposta foi diferente das outras duas iniciativas de Gui em sua carreira solo. Em 2013, por incentivo dos amigos que gostavam de suas músicas, ele concorreu ao ProAC para viabilizar o primeiro álbum. Ser escolhido aumentou a confiança no próprio trabalho. “Puxa, na primeira vez que eu me inscrevo em um edital acabo passando. Comecei a achar que tinha realmente alguma coisa ali.” Essa alguma coisa se transformou em um poderoso álbum, “Caburé”, cartão de visitas impecável, um duelo do bem entre o exímio guitarrista e o compositor antenado com o que se pode esperar da melhor MPB.

Nos anos seguintes, ele divulgou o disco, participou de festivais, vencendo alguns, e trabalhou com muita gente boa. Feras como Hamilton de Holanda, Mônica Salmaso, Arismar do Espírito Santo, Nelson Sargento, Itiberê Zwarg, André Marques e Kiko Dinucci, entre outros. Além de seu trabalho autoral, tem em sua discografia dois discos como guitarrista do grupo Vintena Brasileira, criado por André Marques, álbuns altamente recomendáveis para quem quer música sofisticada, de pegada popular.

Então veio a pandemia. Quando a urgência de uma nova gravação ficou difícil de segurar, veio o EP “Bate Tambô”. Ao contrário do disco de estreia, quando a verba do ProAC permitiu um clima cooperativo no estúdio, agora era ele sozinho em casa, os músicos amigos gravando separadamente, enfim, não foi a mesma coisa.

Quando aceitou o convite para usar o estúdio em Tatuí, rapidamente Gui pensou que não poderia desperdiçar um instante sequer nos dias de sessões. Pensou em gravar um álbum inteiro, mas não comunicou imediatamente ao pessoal da produção, “para não assustar os caras”, “Vai que eles mudam de ideia…”, brinca.

A experiência de produzir Grito Contido acabou sendo algo no meio do caminho entre suas gravações anteriores. Mistura a comodidade de estar num bom estúdio, com recursos técnicos e gente camarada para ajudar, como em “Caburé”, e sozinho para cantar e tocar, o que trouxe resquícios da gravação no isolamento que fez para “Bate Tambô”. Há um único músico convidado, o trompetista Raphel Sampaio, na faixa “Zanzo”.

Num primeiro momento, Gui decidiu lançar o álbum em julho, apenas no formato digital, depois de uma pesquisa informal com amigos e outros cantautores. “A maioria não está prensando CD, e quem prensou está cheio de caixa em casa. Ninguém mais tem aparelho para tocar, acho que vai ser digital mesmo. Ele lamenta. “Perde um sabor, né? Pegar o encarte, ver a ficha técnica, uma sensação boa, mas é o jogo de agora.”

Com 35 anos, Gui assume o papel de condutor da própria carreira, juntando no dia a dia a efervescência criativa, que é sua marca, com os processos administrativos e comerciais para levar sua arte ao público. Seu objetivo é atuar em festivais maiores, “talvez festivais de world music, de jazz, acho que eu me encaixo nesse tipo de evento”.

Para onde ele se encaminhar, Gui Silveiras quer levar sempre a bandeira da música autoral como veículo de manifestação e de comunicação. Quem ama música instigante deve procurar nas redes “Caburé”, “Bate Tambô” e, principalmente, o novo álbum. O grito não pode mais ser contido.

www.guisilveiras.com.br

Instagram: @guisilveiras

Facebook: @guisilveiras

YouTube: Gui Silveiras

Ouça a faixa “Ilá de Mim”: https://onerpm.link/130640461049

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.